Posts recentes

O que os brasileiros pensam da Noruega?

O que os brasileiros pensam da Noruega?

Primeiramente gostaria de pedir desculpas aos meus leitores pela demora com os posts, beklager! Mas estou aqui novamente com um novo texto para todos vocês, este inclusive foi sugerido por um leitor do blog que comentou no meu post antigo “O que os noruegueses pensam […]

O que os noruegueses pensam do Brasil?

O que os noruegueses pensam do Brasil?

Fiz uma pesquisa com alguns noruegueses que eu conheço (e que conheci online), para saber o que eles pensam do Brasil e o que eles acham de nós, brasileiros. Achei que seria uma experiência interessante, para compartilhar com vocês um ponto de vista contrário, em […]

Quem são os samis?

Quem são os samis?

Quem são os Samis?

Os Samis (“as crianças do sol”) são povos indígenas que há cerca de 10.000 anos atrás resolveram se estabelecer no norte da Escandinávia, Finlândia e Rússia. (mais…)

Lugares assombrados: os mais famosos na Noruega

Lugares assombrados: os mais famosos na Noruega

Oi pessoal, Enquanto estava lá no ES, eu acabei vendo no Facebook um vídeo de um antigo parque de diversões carioca, o Terra Encantada. Apesar do estado do parque que já não existe mais, o vídeo me trouxe lembraças boas! Nunca frequentei o Terra Encantada […]

17 de maio

17 de maio

Fala povo! Então, como vocês já sabem, anteontem foi um dia muito especial para a Noruega! 17 de maio é o dia em que os noruegueses saem anualmente pelas ruas para comemorar a assinatura da constituição norueguesa. Mas, por que eu estou falando sobre o mesmo […]

Dicas: aprendendo Norueguês

Dicas: aprendendo Norueguês

Não sou expert e nem sei tanta coisa assim da língua. Mas acho que vale a pena dar umas dicas para aqueles que querem aprender norueguês. Eu mesma venho tentando aprender sozinha durante três anos quase, o meu progresso diminuiu depois que eu parei de dar foco a ela. Falava que queria aprender mas preferia passar o tempo em outros sites onlines. O melhor a se fazer é aprender quando estiver afim e não tornar isso uma obrigação, mas sim um lazer.

O problema principal é que o Norueguês é uma língua que quase ninguém (fora os próprios noruegueses) parece se importar. Eu mesma já tive que escutar opiniões bestas alheias sobre como ela é uma língua inútil. Não deixe que ninguém decida por você, se você gosta, aprenda e mesmo que pareça ser difícil achar materiais ou pessoas que tenham disponibilidade para te ensinar, não é, basta apenas procurar e ser paciente.

1. Sempre que tiver tempo livre estude (e não precisa ser através de livros).

Se você como eu, não tem muito saco de entender a gramática, sugiro que assista filmes/séries e desenhos animados em norueguês. Tem várias coisas online que você pode assistir. Eu por exemplo, tenho assistido uma série tosca sobre pré-adolescentes — Jenter. É legal por que, além de conhecer palavras e expressões novas, eu me acostumo a ouvir a língua e entendo um pouco da dinâmica nas escolas norueguesas. Acredite, entendi muito mais como os noruegueses são depois que comecei a assistir essa série.

Outra opção também é assistir vídeos de Youtubers noruegueses! Só procurar por “Norske Youtubere” que aparecerá alguns deles, maioria de videogames ou maquiagem hahaha.

Sites para assistir programas de TV: NRK e P3
Site para baixar filmes em Norueguês/noruegueses: Last ned filmer gratis.

Meus favoritos:

Disponível no Youtube: I Kveld Med Ylvis, Mummitrollet

Site da NRK (em cima): Jenter, Side Om Side, Underholdningsavdelingen, Karl Johan

Disponível via Torrents: Mot i Brøstet

Disponível no Netflix (em inglês/norueguês): Lilyhammer

*Eu particularmente não gosto, mas também tem disponível no Youtube cenas de uma novela chamada Hotel Cæsar, que os noruegueses adoram assistir.

2. Fale sozinho e pense em norueguês.

Quando eu ainda estudava inglês, eu falava sozinha em inglês toda hora, ainda falo. Maluco? Talvez, mas ajuda muito! Lembro bem, que eu estava prestes a me formar no curso e eu ainda sentia que eu não podia dizer que eu era de fato fluente, então, comecei a praticar todos os dias sozinha, online, com pessoas etc. Se tiver vergonha, espere seus pais saírem de casa e comece a falar.

3. Aprenda a melodia (ou pelo menos tente).

Eu sei eu sei, é complicado. Eu ainda não consegui entender totalmente como essa parada de melodia funfa. Li recentemente um post de um blog muito legal (em inglês) no qual o autor comentava que uma das melhores maneiras para soar norueguês, seria pronunciar as palavras de um modo ‘feliz’… e de fato ele está certo. Não é 100% verdadeiro, mas na dúvida, soe feliz no final das frases. Exemplo: “Jeg liker Norge så mYE (Mi-í-e)”

4. Se foque em apenas um dialeto — o de Oslo.

Eu amo quase todos os dialetos existentes na Noruega! Mas, para começar a aprender norueguês, a melhor opção é focar em apenas um, se possível no de Oslo. Eu quero aprender Bergensk já faz um tempo, mas a razão pela qual eu vivo voltando para o de Oslo é porque tem muito mais material disponível. A maioria dos livros para aprender a língua norueguesa, são com o dialeto falado em Oslo.  E a maioria dos programas também tem o povo de Oslo. Além do mais, já entendendo um dialeto apenas, será mais fácil você entender e aprender o resto depois!

Caso você já tenha um nível bom em Norueguês e queira arriscar aprender outro dialeto, aqui segue um site maravilhoso que descobri recentemente —  CALST for learners.

5. Nynorsk ou Bokmål

Gente, a língua escrita mais utilizada é o Bokmål, como eu já havia dito… as duas surgiram na mesma época, as duas tinham o mesmo objetivo — gerar uma língua norueguesa (afim de se livrar da influência dinamarquesa) — a diferença está nos seus respectivos criadores. Se você tem pique e quer aprender ambas, aprenda! Mas lembre-se, foque em uma primeiro. O Bokmål é mais importante pois é a mais popular entre os noruegueses, o Nynorsk por muitos, é considerada uma língua “chata” que é só aprendida pois é obrigatória nas escolas.

Se o dialeto de Oslo seria o ideal para começar a aprender, o Bokmål (adotado como oficial na capital) também é o ideal para começar, até porque a maioria dos materiais disponíveis por aí ensinam o mesmo e não o Nynorsk.

Eu mesma já tive um certo preconceito com o Nynorsk, mas depois de pesquisar sobre, eu fiquei com vontade de aprendê-lo, é bom para entender mais sobre os dialetos que tem na Noruega, já que o Nynorsk foi inteiramente baseado nos dialetos falados. Exemplo: Hva  — Que, em Bokmål — vira Kva — em Nynorsk; em alguns dialetos falados no oeste do país, a forma para se dizer “que” é “Ka”, entenderam?

6. Recomendação de Livros

Se você é old-fashioned e precisa de um método mais conservador ou comum, vou sugerir alguns livros que eu uso e já usei para tentar melhorar na hora de aprender Noruga.

Ny I Norge
Her på Berget
Stein på Stein
På Vei

7. Recomendação de links úteis

Norsk Grammatikk
NTNU – CALST
Karin – The Norwegian Teacher
Learn Norwegian Naturally
Guia Básico de Russo e Norueguês
Duolingo – Norwegian

8. Coloque tudo em Norueguês

Isto é, coloque todas suas redes sociais em norueguês, seus jogos em norueguês, seus programas em norueguês, seus gadgets (celulares, tablets, etc) em norueguês!

História da minha viagem à Noruega: Bergen/Oslo – Parte 4

História da minha viagem à Noruega: Bergen/Oslo – Parte 4

Eu deveria estar estudando, mas estou na vibe de escrever sobre minha última parte na Noruega. Este será o último post sobre minha viagem e espero que gostem. Torstein já tinha combinado que me levaria para tocar na neve e me explicou que a melhor forma […]

Norsk musikk

Norsk musikk

Quando você quer aprender uma língua nova ou conhecer uma cultura nova, o mais comum é que você procure por músicas que definam o lugar. Você quer escutar a música e ter mais acesso ao idioma. Pois é, com a Noruega é mais difícil. Não […]

História da minha viagem à Noruega: Bergen – Parte 3

História da minha viagem à Noruega: Bergen – Parte 3

Do not sit outside when hope is outside.

Em meio ao desespero misturado com cansaço por causa da universidade, consegui finalmente tirar um tempinho para continuar com a minha saga em Bergen. Achei melhor dividir a viagem em três partes, sendo que haverá uma quarta, onde falarei sobre meu tour pelos arredores de Bergen e minhas últimas aventuras pela Noruega! Vamos lá!

5# dia: Eu e Fredrik fomos ao Fløyen — uma das sete montanhas da cidade. Apesar dele ter tentando me convencer em subir a pé com ele, resolvi pegar um Fløibanen até lá (ainda bem que segui minha intuição e meus problemas femininos). O  fløibanen é tipo um tremzinho que te leva até um ‘mirante’ da onde você consegue ver a cidade quase que toda, principalmente o centro, bem bem bem de longe! É uma vista lindíssima e uma das atrações principais em Bergen!

Depois, seguimos até uma trilha no meio da floresta e ainda que eu tenha gostado bastante de fazê-la, me irritei um bucado por causa da insistência do Fredrik em relação ao tempo, e claro, com as escolhas dos caminhos mais íngremes, ainda mais que eu estava não nos melhores dias, se é que vocês me entendem. De qualquer forma, ter participado de um hiking foi de fato uma experiência interessante, já que eu nunca tinha feito nada igual. Era mais do que claro que eu era uma inexperiente, com a quantidade de vezes que eu caía de bunda na lama/terra!

O que eu mais achei maneiro sobre o passeio é que, as florestas lá são super bem cuidadas, quanto mais você anda, mais você descobre. Lagos belíssimos, placas dizendo para cuidar da natureza, quizzes para os turistas adivinharem e conhecerem mais sobre a Noruega, e por fim, cabanas perdidas e escondidas por lá. Inclusive, uma das frases que eu sempre sonhei em tatuar, eu achei esculpida em uma dessas placas no meio de Fløyen.

Também lembrei da minha tia Tinão, que recentemente faleceu e de quem eu sinto muita falta. Ela amava bruxas e enquanto eu estava andando pela floresta por lá, eu vi uma plaquinha de uma bruxinha esculpida que dizia ‘perigo, a bruxa está cozinhando!’.

Subimos no topo de uma montanha, e mesmo sendo um processo lento, doloroso e cansativo, quando você chega lá em cima, você pensa “wow valeu a pena!”. No final de tudo meu querido e legal amigo (só que não) resolveu me levar até o caminho mais íngreme do mundo, é sério, usando o argumento de que eu, no final de tudo, iria achar o máximo ter descido por ali, mas tudo que eu pensava eram as minhas pernas doloridas, que ficaram desse jeito por cerca de 3 dias.

6# dia: Fui a Fantoft Stavkirke de novo, pois é… a vontade de vê-la por dentro foi tanta, que resolvi voltar lá, já com o caminho decorado dessa vez! É bonitinha, porém pequena. Devo ter ficado lá dentro durante 3 min no máximo.

Bom, aproveitando que era relativamente perto da Igreja, peguei o tram ao Gamlehaugen – o castelo de verão da família real. Perdida como sempre, pedi ajuda a primeira pessoa que eu pude ver na minha frente, assim que saltei do tram. Uma moça que me pareceu muito simpática no começo, disse que me levaria até lá já que era caminho da casa dela. Ela começou a conversar comigo, me perguntando da onde eu era e eu disse que era do Brasil. Ela respondeu dizendo que não gostava de futebol e eu retruquei falando que achava futebol legal e que gostava muito da Noruega e ela em seguida disse que odiava a Noruega e que estava mais do que doida para se mudar para o México…………… sério? Então ela começou a enumerar todos os erros no país dela, tentando me convencer de que ir para o México realmente seria uma boa ideia. Resolvi comentar sobre como os sinais para os pontos turísticos em Bergen eram confusos e tudo que recebi foi uma direta e fria resposta dizendo ‘nós não nos importamos com os sinais porque não gostamos de turistas aqui’ #chateadíssima

Enfim, ela foi para casa e eu continuei. Chegando no castelo, pude ver que já não haveria mais tour por dentro, porque claro, tudo na Noruega fecha cedo! Mesmo assim, aproveitei para tirar foto na fachada, e sentar no banquinho do jardim real #soudessas

7# dia: Para quem não sabe e nunca esteve na Noruega durante o verão, lá, o sol dura o dia todo… ele nunca se põe… fica apenas na linha do horizonte e depois volta à tona, por isso eu vivia perdendo o tempo.

Fui ao Aquário de Bergen devido a proximidade do lugar aonde eu estava. Me informaram que tinha um barco que podia deixar os turistas no Aquário, mas eu resolvi ir andando para economizar — muitas ladeiras no caminho, ugh. Chegando lá, pude ver vários pinguins nadando numa piscininha e um show de focas, no qual os treinadores faziam elas girarem e brincarem com bolas.

Vi crocodilos, cobras, aranhas (inclusive uma brasileira) e muitos outros animais que eu não estou lembrando… ah, muitos e muitos peixes, um mais esquisito que o outro! A única coisa que me deixou um pouco agoniada, foi ter visto uma tampa de caneta dentro do aquário… er, sei lá, mas fora isso, lá é tudo bem cuidado (ao menos o que parece).

8# dia: Fui a um dos museus de arte que tem perto do Festplassen, KODE (não me lembro o número), só sei que tem vários iguais, cada um com seu próprio número na fachada, um do lado do outro, e eu fui naquele onde eu encontraria alguma das obras do Edvard Munch. Não, eu não vi próprio ‘O grito‘, mas vi um esboço dele desenhado feito por Munch e outras pinturas do mesmo.

Mais tarde, resolvi subir em outra famosa montanha em Bergen, o Ulriken. Eles dizem ‘Se você não foi à Ulriken, você não esteve mesmo em Bergen’. Gostei muito! Tem uma vista bem diferente de Fløyen, já que não mostra muito o centro da cidade. Fiquei com vontade de fazer hiking até lá, mas não foi possível já que o Fredrik estava ocupado e eu já não tinha mais tempo para nada… infelizmente, minha viagem estava acabando. Peguei o ônibuzinho do centro até a entrada, de lá peguei um bondinho que subia até o topo. Muito legal, porém, fiquei pouco tempo por lá. Estava muito frio e o horário de visitação quase no fim.

Finalmente, quando cheguei à casa de Torstein, antes de dormir, meu nariz começou a sangrar aleatoriamente (acho que foi por causa da altura da montanha), hehe, foi legal!

História da minha viagem à Noruega: Bergen – Parte 2

História da minha viagem à Noruega: Bergen – Parte 2

Continuando a falar sobre a minha viagem, vou contar como foi minha ida à Bergen, mas para isso, eu irei ter que dividí-la em duas ou três partes, já que passei muito mais tempo lá do que eu passei em Oslo. Cheguei em Bergen às […]